top of page

É possível um cristão ser comunista ou socialista?

Atualizado: 26 de fev. de 2020



“Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim;

e quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim”.

Mt. 10.37,38


Introdução


Minha intenção não é defender um partido político ou uma ideologia política, mas o evangelho de Cristo.


A marxismo é ideologia mais perversa na história da humanidade. Mais de 100 milhões de pessoas foram assassinadas por causa do comunismo e os povos foram oprimidos.

O sistema mais corrupto do mundo é o comunista, porque o Estado controla tudo.


A esquerda não tolera a religião.


Karl Marx disse: “O sofrimento religioso é, ao mesmo tempo, expressão de um sofrimento real e protesto contra um sofrimento real. Suspiro da criatura oprimida, coração de um mundo sem coração, espírito de uma situação sem espírito: a religião é o ópio do povo.”


O surgimento da Esquerda e da direita na história.[1]


O que significa “Direita” e “Esquerda”?


“Direita” e “esquerda” são termos que identificam posições políticas e ideológicas teoricamente antagônicas.


Essas designações surgiram na Revolução Francesa, em fins do século 18, na Assembleia Nacional.


Os defensores da autoridade real (clero e nobreza) se posicionaram do lado direito da assembleia, enquanto que os defensores da supremacia do parlamento (representantes do Terceiro Estado ou o povo) se colocaram do lado esquerdo. Assim, o primeiro termo passou a designar os mantenedores do “status quo” e o segundo, os revolucionários e contestadores.


Franklin Ferreira disse: “Diante do debate político ora em curso, é necessário se definir o que vem a ser “direita” e “esquerda”. A esquerda pode ser definida como aquele modelo do espectro político em que há pouca ou nenhuma liberdade pessoal e econômica, em que o Estado ou partido ganha uma dimensão transcendente, agindo para estender seu domínio sobre todas as esferas da sociedade. Por outro lado, a direita privilegia a liberdade pessoal e econômica, e a garantia dos direitos individuais, sendo os limites o respeito à vida, à propriedade e à liberdade dos demais. Tais termos ganharam este significado após o começo da Guerra Fria".


Franklin Ferreira também disse: “No Brasil, convencionou-se tratar como “direita” o regime militar, que tomou o poder no Brasil entre 1964-1985, e como “esquerda” os grupos que se opuseram às forças armadas e almejavam um regime socialista. Curiosamente, tanto os militares como a esquerda compartilhavam o autoritarismo e o desenvolvimentismo intervencionista. Mas, se a direita assume como absoluta a valorização do indivíduo, como este sistema pode se degenerar em autoritarismo ou totalitarismo? Há exemplos históricos de regimes autoritários ou totalitários que afirmaram a liberdade individual? Na verdade, não. Antes, foram regimes esquerdistas que almejaram controlar (Gleichschaltung) firmemente todas as esferas da sociedade (família, artes, esportes, igreja, economia e imprensa), a partir da noção da transcendência do Estado/Partido".


Quando surgiu o comunismo ou socialismo?


Mais de um século (Século 19) depois, graças a outra revolução, desta vez na Rússia, a esquerda veio a ser identificada com o comunismo ou socialismo, em sua luta contra o capital e em defesa dos trabalhadores.


Quais são as características da ideologia da esquerda?


Otimismo quanto ao ser humano, ou seja, o homem como um ser naturalmente bom;

Racionalismo utópico - crença na capacidade da razão para construir uma sociedade ideal;

Determinismo histórico - a história é condicionada por forças econômicas e evolui inexoravelmente para um fim;

Igualitarismo e socialismo - luta pela eliminação das distinções sociais e da propriedade privada, almejando uma sociedade sem classes.


Quais foram as consequências do comunismo no século 20?


Ditaduras cruéis e opressoras. Franklin Ferreira disse: “O fato é que os ditadores mais cruéis da história do século XX foram esquerdistas: Lênin e Stalin (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas), Adolf Hitler (Alemanha) e Walter Ulbricht (Alemanha Oriental), Nicolae Ceauşescu (Romênia), Pol-Pot (Cambodja), Mao Tsé-Tung (China) e Hồ Chí Minh (Vietnã). Cuba, Coreia do Norte Venezuela são hoje estados-modelos de esquerdismo;

Novas formas de elitismo e concentração de riquezas;

Estatismo, burocracia e corrupção;

Ineficiência administrativa;

Violação extensiva dos direitos humanos;

Práticas antidemocráticas (partido único, ausência de eleições, supressão de liberdades públicas);

Horrendos crimes contra a vida praticados na União Soviética, na China, no Camboja, na Coreia do Norte, em Cuba e outros países.

Por causa da ideologia marxista 100 milhões de pessoas foram assassinadas.


Por que o cristão não deve ser esquerdista?[2]


O socialismo tem uma cosmovisão conflitante com a fé cristã.


A esquerda histórica é radicalmente materialista, vê o mal somente nas estruturas econômicas e sociais, propõe como meio de redenção a transformação, mesmo que traumática, da sociedade.


Do ponto de vista cristão, o socialismo subestima a tendência do ser humano para o egocentrismo, para a sede de poder, para a autoglorificação, como se vê em tantos líderes e movimentos dessa corrente.


A esquerda tem valores conflitantes com os valores cristãos.


As ideologias de esquerda são notórias por seu relativismo moral (“os fins justificam os meios”). Por exemplo, o partido antes dominante no Brasil convivia placidamente com a corrupção em nome da “governabilidade”.[3]


O comunismo tem um deus diferente do Deus dos cristãos.


Assumir compromissos viscerais com sistemas, líderes e regimes político-ideológicos é mais uma forma de idolatria entre tantas que disputam a supremacia no coração humano.[4]

A esquerda idolatra o Estado e seus líderes. O cristão adora a Deus e é leal a Cristo.

A esquerda persegue os cristãos por causa da sua lealdade a Cristo.

A esquerda é ateia, o cristão é crente.


Comentários sobre o cristão ser da esquerda.


“Quando um cristão se define como de esquerda, em certo sentido está compactuando com todo o sofrimento imposto aos seus irmãos por quase um século.”

(Alderi Souza de Matos - doutor em história)[5]


“Todos os mais aclamados intelectuais esquerdistas elegeram o cristianismo como um mal a ser combatido, de modo que sempre observo alguém se nomeia “cristão esquerdista” com a curiosidade de um cientista que encara um fenômeno que considera impossível.”

(Renan Alves da Cruz - historiador)[6]


“O socialismo como existe hoje é anticristão.”

(Guilherme de Carvalho)[7]


“Se cristão de esquerda significa ser petista, eu acho um equívoco, e isso é tão óbvio que não precisa nem falar.”

(Luiz Felipe Pondé)


“Foi sabendo desse fator positivo que a cosmovisão exerce sobre a sociedade que o marxismo cultural se ergueu como uma espécie de possibilidade de revolução. É nesse sentido que o marxismo cultural ele não é só uma possibilidade do ponto de vista político-econômico, mas também influenciador no aspecto religioso, no aspecto cultural. É nesse sentido que muitos até perguntam se é possível um cristão, por exemplo, ser um de esquerda, se é possível um cristão ser marxista. Eu tenho uma opinião de que este tipo de pergunta é como se a gente tivesse perguntando o seguinte: o cristão pode ser ateu? Então uma cosmovisão socialista no seu sentido puro, no seu sentido fundamental ela é anticristã, ela é idolátrica, ela é antagônica a cosmovisão cristã.”

(Jonas Madureira – Doutor em Filosofia e teólogo)[8]


“... se a visão esquerdista é uma visão protecionista de um estado gigantesco que acaba transformando o pobre em sacramento, a missão da igreja como sendo a missão social e coisas desse tipo, e que faz a leitura da sociedade a partir do marxismo, é claro que a igreja deve confrontar este tipo de visão a partir da visão bíblica da situação do homem, que forma ele chegou a esse ponto, da sua queda em relação a Deus, ou seja, a igreja deve priorizar a visão bíblica, escatológica da queda do homem e da solução final no Reino de Deus mediante Jesus Cristo.”

(Augustus Nicodemus - Teólogo)[9]


“O marxismo é uma ideologia que está carregada de pressupostos anticristãos. [...] marxismo e cristianismo é água e óleo, não dá para misturar essas duas coisas.”

(Augustos Nicodemus - Teólogo)


Por que o cristão não pode ser esquerdista segundo à Escritura?


A Esquerda é incompatível com o cristianismo.


A esquerda idolatra o Estado, o cristianismo respeita, honra, sustenta e se submete ao Estado (Rm. 13.3,4).


O Estado é uma instituição divina (Rm. 13.1.2).


“Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por ele estabelecidas.

Portanto, aquele que se rebela contra a autoridade está se colocando contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos”.


O Estado é servo de Deus (Rm. 13.4,6).


“Pois é serva de Deus para o seu bem. Mas se você praticar o mal, tenha medo, pois ela não porta a espada sem motivo. É serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal”.

“É por isso também que vocês pagam imposto, pois as autoridades estão a serviço de Deus, sempre dedicadas a esse trabalho”.


O Estado é agente da justiça (Rm. 13.4).


“Pois é serva de Deus para o seu bem. Mas se você praticar o mal, tenha medo, pois ela não porta a espada sem motivo. É serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal”.


A Esquerda segue a ideologia markcista, o cristão segue os valores da Escritura Sagrada (2 Tm. 3.16,17).


A Escritura Sagrada é inspirada por Deus (2 Tm. 3.16,17).


“Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça,

para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra”.

Paulo nos mostra a origem da Escritura Sagrada como também as suas diversas utilidades para o ser humano.


A Escritura Sagrada é regra de fé e de conduta do cristão (Mt. 4.8-10).


“Depois, o diabo o levou a um monte muito alto e mostrou-lhe todos os reinos do mundo e o seu esplendor.

E lhe disse: "Tudo isto lhe darei, se você se prostrar e me adorar".

Jesus lhe disse: “Retire-se, Satanás! Pois está escrito: ‘Adore o Senhor, o seu Deus e só a ele preste culto’”.

Jesus sempre submeteu a autoridade da Escritura, e não foi diferente quando estava sendo tentado pelo Diabo. Nas três tentações que sofreu, Cristo obedeceu a Escritura nos ensinando que devemos fazer o mesmo.